segunda-feira, 23 de março de 2015

Primeiras Impressões: A Playlist de Hayden


Mais uma vez a Novo Conceito me enviou uma amostra de um dos seus futuros lançamentos (e desta vez no prazo certo) e eu já li e vou falar um pouquinho aqui do que achei.
Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente
Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava.
O livro está dentro de um estilo que eu realmente não entro com muitas expectativas, mas tenho muita coisa a comentar sobre. Vamos começar pela história;
A sinopse do livro é um tanto quanto mórbida, mas é algo que estou muito acostumado, principalmente quando se trata de contemporâneos. A grande questão aqui é como se encontra a realidade de um amigo quando o seu parceiro o deixa de maneira abrupta. Por trás de tudo isso, tem um grande mistério que não posso contar como se desenvolve. Não é algo muito interessante, mas você vai esperar pela sua revelação. O enredo é bem calmo e o que me preocupa é que, se depois de todas as páginas, vamos ter algum resultado. Como é uma amostra, eu realmente não sei se todo esse tempo vai realmente trazer resultado.
Os personagens são poucos, mas até que realmente interessantes para a história. Sam tinha uma amizade com Hayden que consigo me identificar. É um tipo de amizade tão parecida com a do meu melhor amigo que a identificação é quase total. Um protagonista nerd é algo um pouco diferente e eu gosto disso, ajuda a me identificar um pouquinho mais. Os coadjuvantes são realmente muito bem trabalhados, são descritos de uma forma que te convence e até parece que você realmente conhecia eles.
Como é uma playlist eu preciso falar das músicas. Bom, não duvido da qualidade delas e até conheço algumas, mas não são parte do meu cotidiano. Só que elas cumprem sua função, combinam com a história e se você ouvir alguma delas pode gostar (a minha favorita é a do capítulo 6).
A Playlist de Hayden não faz parte do meu gênero favorito, mas de certa forma me conectou a história. Não posso dar o mérito ao livro, mas a uma grande sorte. Tenho curiosidade para ver no que vai dar mas por enquanto não é nada que mude minhas concepções quanto ao gênero, então:

Título: A Playlist de Hayden | Autor: Michelle Falkoff  | Editora: Novo Conceito | Páginas: 86/288

segunda-feira, 16 de março de 2015

Primeiras impressões: A Mais Pura Verdade


 Lançamento de março, A Mais Pura Verdade é um livro com um tema que eu admito não gostar muito, mas foi inevitável desejar esse livro assim que li sua sinopse. A história é sobre um garoto que sofre de uma doença (que prefiro deixar como mistério) e que cansado da pena das pessoas e de "viver" em hospitais, acaba fugindo com seu cachorro e uns itens a mais.
Tá, eu decidi que se tinha um livro do gênero que eu resolvi amar, foi esse. Uma história com cachorro é algo que me destrói completamente, não importa o que façam. Mas ai, a Novo Conceito resolveu dar um presente a vários leitores, dando uma amostra do livro. Tudo de graça, e muito bem acabado.

Só que o meu não chegou e eu realmente temi ficar sem o meu, mas finalmente chegou e depois de ler, quero contar tudo para vocês.
Primeiro: A edição, mesmo sendo uma amostra, é uma graça. Acho que a Novo Conceito fez isso para mostrar para a gente o que é realmente a edição completa e devo dizer: muito bonita!
A história não me surpreende. E digo isso no sentido de que eu realmente tive aquilo que esperava, uma história que traz emoção. Beau, o cão de Mark, é realmente uma coisa maravilhosa; sua companhia é algo que mexe (principalmente para quem não aguenta uma história com cães).
Entre os capítulos do Mark, tem os da amiga e família dele lidando com seu sumiço. Achei ótimo porque dá ainda mais dimensão e importância as coisas. Porém, inicialmente, poucos desses capítulos trazem algo realmente diferente.

Mas ainda assim, nem tudo é perfeito. Achei o Beau um pouco humanizado demais, deixando-o com um aspecto meio "cartunesco", o que me desagradou um pouco.
Mark também me incomodou por ser um pouquinho duro, tão preenchido de um rancor que não se permite ser ajudado. Em uma certa passagem, quando uma mulher o ajuda, ele reage de uma forma que não me agradou. Se tem algo que gosto em livros, principalmente nesse gênero, é a bondade das pessoas; E a forma que o Mark se irrita com isso e age de maneira tão injusta, me irritou um pouco.
Com o final desse cortesia da Novo Conceito, eu só posso dizer que: A Mais Pura Verdade é realmente incrível, não é perfeito, mas emociona. Preciso desse final para decidir se vou favoritar mas já por essas páginas, posso dar:

Título: A Mais Pura Verdade | Autor: Dan Gemeinhart | Editora: Novo Conceito | Páginas:  95/224

domingo, 18 de janeiro de 2015

Recomeço

Oi pessoal! Faz bastante tempo que não venho aqui conversar com vocês e peço perdão pelo vacilo.
Só quero avisar que o blog vai voltar, porque sinto saudades de escrever aqui sim, por incrível que pareça.
Deixar o blog abandonado me encheu de remorso, principalmente porque ele vai fazer 1 ano e recebeu tão pouca dedicação. Só que me envolvi por ter um canal no youtube, onde o feedback é muuuito maior. Eu vou voltar, tenho planos para isso. Talvez não com toda a força, mas vou fazer mais e mais para deixar esse blog cada vez mais vivo.
Obrigado por estarem aqui!